Seu negócio

Ferramentas para a sua startup: como usar Sprint e Canvas

Saiba como o Método Sprint e o Business Model Canvas podem ajudar você a desenvolver a sua startup

Neste texto, vamos falar sobre duas ferramentas que podem ajudar você a desenvolver sua startup: Método Sprint e Business Model Canvas. Você vai entender como funcionam e aprender a tirar o melhor de cada uma para o seu negócio decolar.   

Já tentou executar uma solução em grupo para um problemão que acabou virando uma discussão generalizada e sem direcionamento?  

E que tal tentar colocar em uma folha de papel aquela ideia de novo projeto que você teve, mas que, no fim, virou uma folha rabiscada e sem nexo?   

Acontece, eu sei. Mas vou te contar que esse tipo de dificuldade foi extinta depois que eu conheci essas duas ferramentas que vou apresentar para você.  

Eu sou o Leo, analista de inovação HypeFlame, que é a empresa de tecnologia do Agi. Durante 12 semanas, vou escrever conteúdos sobre como desenvolver uma startup. Esse texto é o terceiro da série. Para ver tudo o que já publicamos sobre o assunto, é só clicar neste link.  

O que é o Método Sprint  

O Método Sprint, ou também conhecido como Design Sprint, trata-se de um processo de design ágil. Ele consiste em um encontro de cinco dias em que um grupo de pessoas respondem perguntas de negócios a partir de brainstorming, prototipagem e feedback.   

O objetivo da atividade é resolver questões críticas de forma prática. Na minha opinião, o real benefício desse processo é que ele toma um atalho muito vantajoso: em vez lançar um MVP para validar uma ideia, foca especificamente nos usuários. Ou seja, simplifica o processo.  

Como funciona o Sprint  

1º Passo – Escolha o problema: só vale a pena executar um sprint quando o seu problema é grande o suficiente. Como envolve muitas pessoas, a metodologia pode perder relevância se for utilizada em qualquer solução. 

2º Passo – Encontre um definidor: essa pessoa será líder da equipe e ficará responsável por dar o voto de minerva durante o processo. Geralmente é o CEO ou diretor da área.  

3º Passo – Encontre um facilitador: é o rei do método. Alguém que conhece o design sprint e sabe cada passo a ser dado ao longo da semana.  

3º Passo – Recrute seu time: convoque pessoas com habilidades complementares e que tenham afinidade com o trabalho a ser desenvolvido. 

4º Passo – Converse com especialistas: traga-os em momentos pontuais para não sobrecarregar a atividade.  

5º Passo – Reserve o espaço e o tempo da equipe: aqui está um desafio. Os participantes têm que se dedicar exclusivamente ao sprint para não perderem o foco. Por isso, reserve cinco dias inteiros do calendário de todos os participantes e informe-os sobre a duração do processo para que se programem.   

Como aplicar o Método Sprint na sua startup?  

Unpack  

No primeiro dia da Sprint, a sua equipe vai trazer tudo aquilo que sabe a respeito da ideia. A expertise geralmente está espalhada entre os times.   

O UX sabe algo que o CEO não sabe, os desenvolvedores conhecem algo que o gerente de operações não conhece e assim por diante. Essa é a riqueza do sprint: contar com perspectivas diferentes na composição.   

A prioridade é deixar todos alinhados, porque isso é indispensável para o sucesso do programa.  

Sketch  

No segundo dia, todos devem rabiscar ideias de maneira individual, colocando as soluções para determinado problema no papel. O ideal é levantar o máximo de ideias possíveis, sem discuti-las nesse primeiro momento.  

Após esse processo, os participantes devem olhar para cada um dos sketches e conversar sobre como aquilo poderia funcionar. No fim, há um sistema estruturado de feedback para que todos votem nas soluções que acharem mais adequadas.   

Decide  

No terceiro dia, haverá pelo menos uma dúzia de ideias para escolherem. Isso é muito bom, mas há um problema, já que não é possível prototipar todas em apenas um dia. Portanto, o objetivo do terceiro dia é filtrar as ideias, e no fim do dia optar por uma única ideia que vai ser prototipada.  

Prototype  

Aqui, é importante escolher ferramentas com as quais vocês já estejam acostumados a trabalhar de forma rápida, pois o protótipo da ideia escolhida tem que ser concluído até o fim do dia. O ideal é planejar todas as atividades do dia bem cedo.  

Test  

No quinto e último dia, é hora de mostrar os protótipos para os potenciais usuários do produto, em sessões individuais. Uma das melhores partes desse processo é que o usuário dá feedback em tempo real, mostrando os pontos fortes e o que deve melhorar. No fim do dia, a equipe usa os feedbacks para decidir se a ideia sobrevive ou não.  

Para finalizarmos, duas últimas dicas:  

1° – Mantenha o foco  

A recomendação do criador do método, Jake Knapp, é bloquear a agenda por cinco dias para que todos possam focar na Sprint.  

Sim, eu já falei sobre isso.  

Por que você acha que eu estou batendo novamente nessa tecla?  

Explico. O Design Sprint é valioso justamente por ser rápido e focado. Não faz sentido criar todo um método de pesquisa, formular e debater ideias para só no fim pedir a opinião do CEO, por exemplo.   

Lembre-se que o problema que você quer resolver om o Sprint é prioritário. Por isso, é importante que todos os envolvidos tenham o contexto do processo. Além disso, todos precisam estar muito bem-informados para tomar a melhor decisão.   

2º – Não evite o debate  

Durante a metodologia, surgirão diversos momentos de discussão. Mas isso é ótimo. É a discussão que permitirá que você e a sua equipe façam as melhores escolhas, então use o debate a seu favor.   

O que é o Business Model Canvas  

O Canvas é uma forma de estruturação de modelo de negócio que, muitas vezes, é desenhada em uma folha A3, na horizontal, dividida em “caixas” que compõem os nove pontos trabalhados na ferramenta.  

Ele permite que você consiga visualizar todos os pilares relevantes do seu projeto, e também é uma ótima ferramenta para planejar a validação de hipóteses. Além disso, reforça e estimula a cocriação, já que pode ser facilmente desenvolvido em grupo. Segue abaixo um modelo para que você visualize como pode ficar o seu.  

Modelo de negócios do Canvas

Agora vamos aos pilares que sustentam o seu Canvas:  

1. Proposta de valor da startup 

Quais são os benefícios que você pretende entregar, ou, em outras palavras, o que poderá levar as pessoas a se interessarem pelo seu produto ou serviço? Veja esse exemplo do Zoom: “Videoconferência de longa duração com features profissionais”. Completo e objetivo.   

2. Segmento de clientes da startup 

Quem são seus clientes? Pense em qual é seu perfil, onde eles estão, como estão agrupados e qual a sua necessidade comum, como por exemplo, no Canvas da Uber: “Passageiros são jovens urbanos e pessoas de renda média-alta. Enquanto motoristas trabalham part-time e têm como grau de escolaridade o ensino médio.”   

Lembre-se que, nesses modelos de negócio onde a startup opera como intermediária, ambas as partes mantenedoras – nesse caso, passageiros e motoristas – são seus clientes.  

3. Canais  

Por onde sua startup chegará nos seus clientes? Como será essa comunicação? Como o consumidor vai interagir com o seu negócio? No Canvas da Netflix, por exemplo, essa parte vem dividida em anúncios online e offline, mídias sociais e o famoso “boca a boca”. Confesso que foi por esse último que conheci a plataforma.  

4. Relacionamento  

Como sua empresa vai conquistar um bom relacionamento com seus clientes? Qual será o seu diferencial nisso? Talvez você já conheça um ótimo exemplo. Quem nunca ouviu falar no tratamento especial que é dado pelo nome do cliente no Starbucks?   

Lá, o seu nome é falado pelo menos três vezes entre o processo de realizar a solicitação e pegar o seu pedido. Eles também possuem o famoso cartão fidelidade, que aumenta a probabilidade do retorno do cliente e o aproxima ainda mais da marca.  

5. Receitas  

Como e quanto seus clientes terão que pagar? No exemplo do Canvas do GetNinjas, por exemplo, está o percentual sobre pagamento dos freelancers.   

6. Recursos-chave  

Quais são os ativos necessários para realizar sua proposta de valor e colocar a sua startup para funcionar? Aqui entram tanto ativos físicos, como equipamentos, quanto intelectuais, como as patentes. No caso da Uber, são três itens: plataforma moderna, algoritmo de taxação e algoritmo de rotas.  

7. Atividades-chave da startup 

Quais são atividades mais importantes para que a sua proposta de valor seja realizada e a sua startup prospere? Na empresa de pagamentos PayPal, por exemplo, os pilares são divididos em desenvolvimento e manutenção de plataforma, análises de fraudes e desenvolvimento de algoritmos.  

8. Parcerias-chave da startup 

Pense em outras empresas que podem ajudar a sua startup a entregar valor. No caso da Apple, por exemplo, vemos uma estrutura que comporta várias áreas: manufaturas, desenvolvedores Apple Store, publicitários, além de emissoras de televisão e da indústria do entretenimento.  

9. Estrutura de custos  

Por fim, quais serão os gastos para colocar a sua ideia de pé? Considere custos com canais, atividades e parcerias. Por exemplo, no caso do Canvas da Nespresso, são encontrados pilares como publicidade, fabricação e logística.  

Como preencher o Canvas da sua startup 

Mas, se você não sabe por onde começar, não se preocupe. O Canvas possui uma ordem própria de preenchimento que facilita na abordagem e na formatação de ideias. Segue a ordem:  

  1. Segmento de Clientes  
  1. Proposta de Valor  
  1. Canais  
  1. Relacionamento  
  1. Fontes de receita  
  1. Recursos-chave  
  1. Atividades-chave  
  1. Parcerias-chave  
  1. Estrutura de Custos  

Agora, você pode estruturar a sua ideia em um Canvas e partir para a validação com um Sprint. Que tal?  

Gostou das dicas? Espero que você utilize alguma delas para o seu projeto.  

Iniciativa do Agi quer ajudar a acelerar a sua startup 

Aqui n’a.base sempre instruímos os participantes parceiros com metodologias como essas. Para saber mais como desenvolver a sua startup, é só continuar acompanhando os posts semanais.   

Veja tudo o que já foi publicado sobre o assunto clicando neste link.  

Be epic,  

Leo. 

%d blogueiros gostam disto: